Os anúncios aqui postados são de inteira responsabilidade do Google

3 de nov de 2010

BENEFICÊNCIA E PACIÊNCIA

"A caridade é paciente e benigna..."
 Paulo. (I CORÍNTIOS, 13:4.)


Beneficência, sim, para com todos:
Prato dividido.
Veste aos nus.
Remédio aos doentes.
Asilo aos que vagueiam sem teto.
Proteção à criança desamparada.
Auxílio ao ancião em desvalimento.
Socorro às viúvas.
Refúgio aos indigentes.
Consolo aos tristes.
Esperança aos que choram.
Entretanto, é preciso estender a bondade igualmente noutros setores:
Compreensão em família.
Trabalho sem queixa.
Cooperação sem atrito.
Pagamento sem choro.
Atenção a quem fale, ainda mesmo sem qualquer propósito edificante.
Respeito aos problemas dos outros.
Serenidade nas horas difíceis.
Silêncio às provocações.
Tolerância para com as idéias alheias.
Gentileza na rua.
A beneficência pode efetuar prodígios, levantando a generosidade e conquistando a gratidão; contudo, em nome da caridade, toda beneficência, para completar-se, não pode viver sem a paciência.



Palavras de vida eterna - Emmanuel - pág. 204

20 de out de 2010

15a Semana Espírita de Itapetinga

Quanta luz nesse ambiente, descendo sobre nós, entrando em nossa mente!

As fotos podem ser conferidas ao lado!
Obrigado a todos os palestrantes, que Deus os envolva hoje e sempre.
Obrigado aos ouvintes, trabalhadores, colaboradores, patrocinadores, todos, encarnados e desencarnados que de uma forma ou de outra contribuiram para esses dias de paz, união e muita luz!

11 de out de 2010

Feira de Livros Espíritas na Alameda


  “Solidários, seremos união. Separados uns dos outros seremos pontos de vista. Juntos, alcançaremos a realização de nossos propósitos.”
 Bezerra de Menezes

Agradecemos a todos que tornaram possível essa feira de livros, onde não apenas divulgamos a nossa Semana Espírita, mas a Doutrina e exercitamos a colaboração e amizade!

28 de jul de 2010

A FÉ E A CARIDADE

"Disse-vos, não há muito, meus caros filhos, que a caridade, sem a fé, não basta para manter entre os homens uma ordem social capaz de os tornar felizes. Pudera ter dito que a caridade é impossível sem a fé. Na verdade, impulsos generosos se vos depararão, mesmo entre os que nenhuma religião têm; porém, essa caridade austera, que só com abnegação se pratica, com um constante sacrifício de todo interesse egoístico, somente a fé pode inspirá-la, porquanto só ela dá se possa carregar com coragem e perseverança a cruz da vida terrena."   Ev. Seg. Espiritismo -Cap. XI - Item 13


 

13 de jul de 2010

Terra se tornando planeta de regeneração

Mensagem de Bezerra no 3º Congresso Espírita Brasileiro

Transcrição do vídeo da mensagem psicofônicaque o médium  Divaldo Franco, durante o encerramento do 3º Congresso Espírita Brasileiro no dia 18 de abril de 2010. extraido de: http://oespirito.wordpress.com
“Estamos agora em um novo período, estes dias assinalam uma data muito especial, a data da mudança do mundo de provas e expiações para mundo de regeneração. A grande noite que se abatia sobre a terra lentamente cede lugar ao amanhecer de bênçãos, retroceder não mais é possível.
Firmastes, filhas e filhos da alma, um compromisso com Jesus antes de mergulhares na indumentária carnal de servi-lo com abnegação e devotamento, prometestes que lhe serias fiel, mesmo que vos fosse exigido o sacrifício.
Alargando-se os horizontes deste amanhecer que viaja para a plenitude do dia, exultemos juntos, os espíritos desencarnados e vós outros que transitais pelo mundo de sombras; mas além do júbilo que a todos nos domina, tenhamos em mente as graves responsabilidades que nos exornam a existência do corpo ou fora dele. Deveremos reviver os dias inolvidáveis da época do martirológio, seremos convidados não somente ao aplauso, ao entusiasmo, ao júbilo, mas também ao testemunho, o testemunho silencioso nas paisagens internas da alma, o testemunho por amor àqueles que não nos amam, o testemunho de abnegação no sentido de ajudar aqueles ainda se comprazem em gerar dificuldades tentando inutilmente obstaculizar a marcha do progresso.
Iniciada a grande transição, chegaremos ao clímax e na razão direta em que o planeta experimenta as suas mudanças físicas, geológicas, as mudanças morais serão inadiáveis. Que sejamos nós aqueles Espíritos Espíritas que demonstremos a grandeza do amor de Jesus em nossas vidas; que outros reclamem, que outros se queixem, que outros deblaterem, que nós outros guardemos, nos refolhos da alma, o compromisso de amar e amar sempre, trazendo Jesus de volta com toda a pujança daqueles dias que vão longe e que estão muito perto.
Jesus, filhas e filhos queridos, espera por nós, que seja o nosso escudo o Amor, as nossas ferramentas o Amor, e a nossa vida um Hino de Amor, são os votos que formulamos os Espíritos Espíritas aqui presentes e que me sugeriram representá-los diante de vós.
Com muito carinho o servidor humílimo e paternal de sempre,
Bezerra, muita paz filhas e filhos do coração.”

21 de mai de 2010

AGENDE-SE

NOS DIA 26 DE MAIO A 30 DE MAIO, A BARRACA DA FRATERNIDADE ESTARÁ FUNCIONANDO NO PARQUE DE EXPOSIÇÃO. 
CONVIDAMOS A TODOS A VISITAR E DELICIA-SE COM AS SABOROSAS TORTAS, SALGADOS, CALDOS, ETC.
AGUARDAMOS A VISITA.

EQUIPE DO CENTRO ESPÍRITA SERVOS DO SENHOR!

28 de abr de 2010

Perdão - Santo Remédio

O perdão é, pois, santo remédio para a euforia da mente na luta cotidiana.
Tanto quanto não deves conservar detritos e infecções no vaso organico, não mantenhas aversão e rancor na própria alma.
Perdoa a quantos te firam.
Perdoa agora, hoje e amanhã, incondicionalmente.
Recorda que todas as criaturas trazem consigo as imperfeições e fraquezas que lhes são peculiares tanto quanto, ainda desajustados, trazemos tambeém as nossas.
Emmanuel, Chico Xavier - Palavras da vida eterna.

Obra de Patricia Moreira - Título - Resgate - grafite e lápis de cor sobre Canson A3
http://somenteaarte.blogspot.com/2007/06/amor-e-perdo.html

21 de abr de 2010

E o adultério - Pão Nosso 85


  


“E, pondo-a no meio, disseram-lhe: Mestre, esta mulher foi apanhada, no próprio ato, adulterando.” 
(João, 8:4.)

O caso da pecadora apresentada pela multidão a Jesus envolve considerações muito significativas, referentemente ao impulso do homem para ver o mal nos semelhantes, sem enxergá-lo em si mesmo.
Entre as reflexões que a narrativa sugere, identificamos a do errôneo conceito de adultério unilateral.
Se a infeliz fora encontrada em pleno delito, onde se recolhera o adúltero que não foi trazido a julgamento pelo cuidado popular? Seria ela a única responsável? Se existia uma chaga no organismo coletivo, requisitando intervenção a fim de ser extirpada, em que furna se ocultava aquele que ajudava a fazê-la?
A atitude do Mestre, naquela hora, caracterizou-se por infinita sabedoria e inexcedível amor. Jesus não podia centralizar o peso da culpa na mulher desventurada e, deixando perceber o erro geral, indagou dos que se achavam sem pecado.
O grande e espontâneo silêncio, que então se fez, constituiu resposta mais eloqüente que qualquer declaração verbal.
Ao lado da mulher adúltera permaneciam também os homens pervertidos, que se retiraram envergonhados.
O homem e a mulher surgem no mundo com tarefas específicas que se integram, contudo, num trabalho essencialmente uno, dentro do plano da evolução universal. No capítulo das experiências inferiores, um não cai sem o outro, porque a ambos foi concedido igual ensejo de santificar.
Se as mulheres desviadas da elevada missão que lhes cabe prosseguem sob triste destaque no caminho social, é que os adúlteros continuam ausentes da hora de juízo, tanto quanto no momento da célebre sugestão de Jesus.

19 de abr de 2010

AGRADECIMENTOS

 A EQUIPE DO CENTRO ESPÍRITA SERVOS DO SENHOR AGRADECE A TODOS QUE PARTICIPARAM DIRETA E INDIRETAMENTE DA NOITE DE CALDOS.

13 de abr de 2010

O cisco e a Trave

 
Por que vedes um argueiro no olho do vosso irmão, vós que não vedes uma trave no vosso olho?
Ou como dizeis ao vosso irmão: Deixe-me tirar um argueiro do vosso olho, vós que tendes uma trave no vosso?
 Hipócritas, tirai primeiramente a trave do vosso olho, e então vereis como podereis tirar o argueiro do olho do vosso irmão.
(ESE - Cap. X, Item 9)





Os indivíduos em plenitude não negam suas emoções; permitem que elas venham à tona, e, como elas estão sob seu controle, reconhecem o que estão lhes mostrando sobre seus sentimentos, suas inclinações e suas relações com as pessoas.
As emoções devem ser "integradas", ou seja, primeiramente, devemos nos permitir "senti-las"; logo após, devemos julgá-las e "pensar" sobre nossas necessidades ou desejos; e, a partir disso "agir" com nosso livre-arbítrio, executando ou não, conforme nossa vontade achar conveniente.
O mecanismo de nos "consentir", de "raciocinar" e de "integrar" emoções determinará nossos êxitos ou nossas derrotas nas estradas de nossa existência.
Emoções são muito importantes. Através delas é que nos individualizamos e nos diferenciamos uns dos outros.
Ninguém sente, pois, exatamente igual, isto é, com a mesma potencia e intensidade, seja no entusiasmo em uma situação prazerosa, seja na frustração ao observar uma meta perdida.
 Podemos penar igual aos outros, mas para um mesmo pensamento criaturas diversas têm múltiplas reações emocionais.
Assim considerando, emoções não são certas ou erradas, boas ou impróprias, mas apenas energias que dependem do direcionamento que dermos a elas. Reconhecê-las ou admiti-las não significa, de modo algum, que vamos sempre agir de acordo com elas.
Quando negadas ou reprimidas, não desaparecem como por encanto; ao contrário, sendo energias, elas se alojarão em determinados órgãos e congestionarão as entranhas mais íntimas da estrutura psicossomática dos indivíduos.
Ao abafarmos as emoções, podemos gerar uma grande variedade de doenças auto destrutivas. Abafá-las pode também nos levar a reações muito exacerbadas ou à completa ausência de reações, a apatia.
Portanto, quando tomamos amplo contato com nosso lado emocional, começamos a reconhecer vestígios a respeito de nós mesmos, que nos proporcionarão auto descoberta, auto preservação, segurança íntima e crescimento pessoal.
Ora, se o Poder Divino, através de sua criação, pelo próprio mecanismo da Natureza, delegou as emoções, não poderemos simplesmente negá-las, como se não servissem para nada.
Tristeza, alegria, raiva ou medo são emoções básicas e deveremos usá-las como bússolas que nos nortearão os caminhos da vida.
Elas estão conectadas a nosso sistema de pensamento "cognitivo" - atividades psicológicas superiores, tais como: a percepção, a intuição, a memória, a linguagem, a atenção e os demais processos intelectuais e espirituais.
Ao ignorarmos nossas reações emocionais, não investigando sua origem em nós mesmos, teremos sempre a tendência de projetá-las nos outros.
Além do que, seremos seres psicologicamente claudicantes, por não integrarmos nossas emoções aos nossos cinco sentidos, que nos facilitam a análise das pessoas e de nós mesmos.
A tendência que certos indivíduos têm de atribuir falhas e erros a outras pessoas ou coisas, não enxergando e não admitindo como sendo suas, denomina-se "projeção".
Às vezes, tentamos fazer nossas emoções desaparecer, porque as tememos. 
Reconhecer o que realmente sentimos exigiria ação, mudança e decisão de nossa parte, e muitas vezes seríamos colocados face a face com verdades inadmissíveis e inconcebíveis por nós mesmos; e assim, tentamos projetá-las como sendo emoções não nossas, mas dos outros.
"Não sinta isso, é feio" - essa é uma das muitas velhas mensagens que ecoam em nossa mente desde a mais tenra infância; com o passar do tempo, julgamos não mais senti-las, porque as escondemos da recriminação dos adultos.
Em razão disso, certos indivíduos condenam com veemência os "ciscos" nos outros, pois vêem em tudo luxúria e perversão, desonestidade ou ambição.
É possível que esses mesmos indivíduos estejam reprimindo o reconhecimento de que eles próprios trazem consigo emoções sexuais e perversidades mal resolvidas, ou, em outros casos, emoções desmedidas de fama e de dinheiro projetadas sobre todos os que são por eles denominados ambiciosos e desonestos. 
Na indagação "ou como dizeis ao vosso irmão: deixai-me tirar um argueiro do vosso olho, vós que tendes uma trave no vosso?", Jesus reconhecia a universalidade desse processo psicológico, "a projeção", e, como sempre, asseverava a necessidade da busca de si mesmo, para não transferirmos nossos traços de personalidade desconhecidos às coisas, às situações e aos outros.
O Mestre nos inspirava ao mergulho em nossa própria intimidade, a fim de que pudéssemos enxergar o "lado obscuro" de nossa personalidade.
Ao tomarmos esse contato imprescindível com nossas "sombras", a consciência se torna mais lúcida, crítica e responsável, descortinando amplos e novos horizontes para o seu desenvolvimento e plenitude espiritual.


Hammed - Renovando Atitudes.
Médium Francisco do espírito santo neto

31 de mar de 2010

Concilia-te depressa com o teu adversário, enquanto estás no caminho com ele, para que não aconteça que o adversário te entregue ao juiz e o juiz te entregue ao oficial de justiça, e te encerrem na prisão.– Jesus. (Mateus, 5:25).

26 de mar de 2010

BEM AVENTURADOS OS MISERICORDIOSOS



"Não vos digo que perdoeis até sete vezes, mas até setenta vezes sete vezes". Mateus: 18-22.
"A misericórdia é o complemento da brandura, porquanto aquele que não for misericordioso não poderá ser brando e pacifico. Ela consiste no esquecimento e no perdão das ofensas". O Evangelho Segundo O Espiritismo, Cap. X - Item 4.


 


17 de mar de 2010

Domínio da Ira

Tão comuns se te fazem a irritabilidade e o reprovação, que estás perdendo o equilíbrio, o discernimento sobre o limite das tuas forças. Habituas-te à reprimenda e à contrariedade de tal forma, que perdes o controle da emoção, deixando de lado os requisitos da urbanidade e do respeito ao próximo.
Frequentemente deixas-te arrastar pela insidiosa violência, que se te vai instalando no comportamento, passando de um estado de paz ao de guerra por motivo de somenos importância.
Sem te dares conta, perdes o contacto do amor e passas a ser temido, por extensão detestado.
A irascibilidade gera doenças graves, responsáveis por distonias físicas e mentais de largo alcance.
Da ira ao ódio o passo é breve, momentâneo, e o recuo difícil.
Tem tento, e faze uma revisão dos teus actos, tornando-te mais comedido e pacificado.
Ouve quem te fala, sem idéia preconcebida.
Desarma a emoção, a fim de agires com imparcialidade.
A ideia preconceituosa abre espaço mental à irascibilidade.
É necessário combater com acções mentais contínuas, as reacções que te assomam entorpecendo-te a lucidez e fazendo-te um tresvariado.
A reflexão e o reconhecimento dos próprios erros são recursos valiosos para combater a irritação sistemática.
Tem a coragem de reconhecer que erras, que te comprometes, não te voltando contra os outros como efeito normal do teu insucesso.
A ira cega, enlouquece.
Provocando uma vasoconstrição violenta no sistema circulatório, leva à apoplexia, ao enfarto, à morte.
Um momento de irritação, e fica destruída uma excelente Obra.
O trabalho de um período demorado reduz-se a cinzas, qual ocorre com a faísca de fogo atingindo material de fácil combustão.
A ira separa os indivíduos e fomenta lutas desditosas.
Estanca o passo e retrocede na viagem do desequilíbrio.
Recorre à oração.
Evita as pessoas maledicentes, queixosas, venenosas. Elas se te fazem estímulo constante à irritabilidade, ao armamento emocional contra os outros.
A tua vida é preciosa, e deves colocar todas as tuas forças a serviço do amor.
Desde que és forte, investe na bondade, na paciência e no perdão, que são degraus de ascensão.
Para baixo é fácil, sem esforço, o processo de queda.
A sublimação, a subida espiritual, são o desafio para os teus valores morais.
Aplica-os com sabedoria e fruirás de paz, aureolado pela simpatia que envolve e felicita a todos.
Ademais, a ira é porta de acesso à obsessão, à interferência perniciosa dos Espíritos maus, enquanto o amor; a doçura e o perdão são liames de ligação com Deus, plenificando o homem.

Fonte: LIVRO: "Momentos de Felicidade"

Autor Espititual: Joanna de Angelis

Psicografada por: Médium: Divaldo Pereira Franco



2 de mar de 2010


TUDO É AMOR

Observa amigo, em como do amor tudo provém e no amor tudo se resume.
Vida – é o Amor existencial.
Razão – é o Amor que pondera.
Estudo – é o Amor que analisa.
Ciência – é o Amor que investiga.
Filosofia – é o Amor que pensa.
Religião – é o Amor que busca Deus.
Verdade – é o Amor que se eterniza.
Ideal – é o Amor que se eleva.
Fé – é o Amor que se transcende.
Esperança – é o Amor que sonha.
Caridade – é o Amor que auxilia.
Fraternidade – é o Amor que se expande.
Sacrifício – é o Amor que se esforça.
Renúncia – é o Amor que se depura.
Simpatia – é o Amor que sorri.
Altruísmo – é o Amor que se engrandece.
Trabalho – é o Amor que constrói.
Indiferença – é o Amor que se esconde.
Desespero – é o Amor que se desgoverna.
Paixão – é o Amor que se desequilibra.
Ciúme – é o Amor que se desvaira.
Egoísmo – é o Amor que se animaliza.
Orgulho – é o Amor que enlouquece.
Sensualismo – é o Amor que se envenena.
Vaidade – é o Amor que se embriaga.
Finalmente, o ódio, que julgas ser a antítese do Amor, não é senão o próprio Amor que adoeceu gravemente.
Tudo é Amor.
Não deixes de amar nobremente.

De “Apostilas da Vida”, de Francisco Cândido Xavier – Espírito André Luiz.

24 de fev de 2010

Paciência em ti

Joana de Angelis ( Divaldo Franco)

Sinal evidente de desequilíbrio emocional é a irritação.
A paciência, por sua vez, reflete a tranqüilidade íntima, que se assenta na irrestrita confiança nos desígnios de Deus.
O conhecimento da verdade propicia calma, pois que enseja ao homem saber o que lhe está destinado e como lográ-lo.
Respeita o tempo, aplicando-o com correção e trabalhando sistemática e continuamente para alcançar as metas aque se propõe.
Em todas as circunstâncias comporta-se com eqüidade, pois sabe que as ocorrências da vida obedecem à leis de Causalidade, assim submetendo-se-lhes sem deixar-se desarmonizar por fatores fortuitos, negativos.
Desencadeada a ação, advirão os resultados, conforme o tipo de movimento desenvolvido.
Irritar-se, impacientar-se, somente agrava o quadro dos acontecimentos que não podem ser alterados.
Desse modo, harmoniza-te com a vida, adquirindo o tesouro valioso da paciência.
Nas competições destrutivas, aguarda a tua vez.
Nas lutas de predomínio, espera no teu lugar.
Nos choques da ambição, permanece em paz.
Usa a paciência como instrumento de luta, não te desequilibrando quando os múltiplos convites ao desespero estiverem açodando as tuas resistências.
Cada experiência te brindará maior capacidade para outros cometimentos, forjando os metais dos teus sentimentos para vitórias mais amplas. Assim, fica alerta e paciente.
Conhecendo a "Lei de Justiça", compreendes que somente te acontece conforme a necessidade da tua evolução.
Não te aflijas, nem te apresses.
Sem tardança, porém com paciência, atua sempre, aguardando o correto resultado das tuas realizações.
Com paciência conquistarás tudo, após te haveres conquistado a ti mesmo para o bem e para a paz.



Acesse a mensagen na voz de Divaldo Franco:
http://www.youtube.com/watch?v=AtVdqQVfVs8

23 de fev de 2010

 

Mais uma vez nosso Irmão Arilson nos presenteou com sua oratória. Nos falando sobre a importância do autodescobrimento. Quem teve a oportunidade de participar do seminário e da palestra pode conferir.
Paz em Cristo a todos e até a próxima!

18 de fev de 2010

Arilson Ferraz em Itapetinga

Agende-se

No próximo sábado, dia 20/02, teremos em nossa Casa, o irmão Arilson Ferraz nos falando sobre "Auto-descobrimento: uma busca interior", dando continuidade aos seminários que o irmão desenvolveu no CESS no ano passado. O seminário será das 15 às 18 hs e na sequência, logo mais à noite, às 20 hs, teremos a doutrinária com o tema "Libertação do Sofrimento".

Paz em Cristo!

I Jornada Espírita do Centro Espírita José Petitinga

I Jornada Espírita do Centro Espírita José Petitinga
Data: 27 e 28 de fevereiro de 2010
Palestrante: Marcel Mariano
Palestra
27 de fevereiro – às 20 horas
Tema: Momento de Transição
Seminário
Tema – O Espiritismo Ante os Problemas Humanos.
27 de fevereiro (sábado)
- 1º Módulo - 15h às 17h30
28 de fevereiro (domingo)
2º Módulo- 09h às 12h30

Local: Centro Espírita Servos do Senhor
Rua- Macarani, 206 - Centro.

17 de fev de 2010

Chico Xavier e Nosso Lar nas telas do cinema

O filme sobre Chico Xavier, dirigido pelo cineasta Daniel Filho, estreará em Pedro Leopoldo (MG), com sessão especial no dia 13 de março. Em setembro será lançado o filme Nosso Lar, adaptação do livro de mesmo nome psicografado por Chico Xavier em 1944, editado pela FEB. O romance é contado sob o ponto de vista do espírito André Luiz, que, como um repórter, transmite suas impressões sobre o mundo espiritual. Veja o trailer do filme no site http://www.100anoschicoxavier.com.br/

Chico Xavier o filme